• Facebook
De Nuno Borges a João Domingues e Pedro Sousa: portugueses brilham no Maia Open

De Nuno Borges a João Domingues e Pedro Sousa: portugueses brilham no Maia Open

Neste momento em que o Challenger Maia Open vai relativamente a meio, está na altura de fazer um balanço do que aconteceu até aqui (oitavos-de-final) com especial enfoque no percurso dos jogadores portugueses na prova.

Fábio Coelho, tenista de 19 anos desta região, recebeu convite para o qualifying e, apesar da derrota na fase prévia, a boa réplica dada num jogo contra um jogador mais experiente parece ter sido involuntariamente ‘recompensada’ sendo-lhe atribuído o estatuto de lucky loser. Curiosamente, frente a Andrea Vavassori, o mesmo adversário que o havia batido na qualificação, Coelho voltou a jogar bem, mas a viria a ceder novamente na sua estreia em Challengers.

Para trás, na 1ª ronda do quadro principal, ficaram também Francisco Cabral, João Monteiro, Luís Faria e Tiago Cação, naquela que foi uma segunda-feira ‘negra’.

Quem teve melhor sorte foi Nuno Borges. O vice-campeão do Porto Open 2018 defrontou e bateu o mais experiente Roberto Ortega-Olmedo (ESP) na ronda inaugural do torneio, estreando-se assim ‘em casa’ a vencer em quadros principais de provas Challenger. Ontem, quarta-feira, o percurso de Borges seria interrompido pelo 5º cabeça-de-série, Attila Balazs, pelos parciais de 7-6(0) e 6-4.

João Domingues, outro vice-campeão do Porto Open (2016), não se deixou intimidar por Maximilian Neuchrist na estreia e, hoje, enfrenta Daniel Masur, top257 ATP, nunca antes das 15h. Pedro Sousa, nº 2 nacional, é o outro luso ainda em prova neste Maia Open 2019. Sousa bateu Javier Marti (mais um vice-campeão do PO) numa autêntica maratona de três sets e, esta quinta-feira, a partir das 12h30, volta à acção perante Riccardo Bonadio.

Na variante de pares, ainda se mantêm de pé as duplas compostas por Gonçalo Falcão/Pedro Sousa e Tiago Cação/Tiago Monteiro.
A montra do ténis nacional e internacional estará ‘exposta’ na Maia até ao próximo Domingo e a entrada… é livre. Completamente a não perder!